09/06/2016

Fungo em castanha-do-brasil e castanha-do-pará produzem a antibióticos para combater infecções

A pesquisadora da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que atua no Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), Marta Hiromi Taniwaki, descobriu um fungo que produz antibióticos com a propriedade de combater infecções causadas por vírus, e bactérias. 

O organismo pertence ao gênero Penicillium excelsum, que faz parte das mais de 350 espécies do gênero Penicillium, o mesmo organismo de onde se extraiu originalmente a penicilina, o primeiro dos antibióticos.

De acordo com a pesquisadora, o novo fungo está presente em todo o ecossistema das castanheiras-do-brasil ou castanha-do-pará e foi encontrado em amostras de folhas, de cascas, de castanhas, dos ouriços, nas flores e no solo. “O organismo foi igualmente identificado nas abelhas que fazem a polinização das flores da castanheira, assim como em formigas”, explicou.

 “A formação das toxinas pelos fungos nas castanhas se deve às condições de umidade na floresta e ao tempo de estocagem até as sementes atingirem um nível seguro de umidade. Castanhas que são secas à temperatura de 60º C e mantidas em estoques apropriados apresentam menos fungos e menor possibilidade de conter as toxinas do que aquelas armazenadas sem os mesmos cuidados”, destacou Marta. 

Ela acrescentou que a pesquisa determinou a predominância de fungos das dos gêneros no ecossistema das castanheiras, "capazes de produzir toxinas nos testes in vitro e nas castanhas”.

O Secretario de Agricultura do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, ressaltou que este estudo é importante para desenvolver novas alternativas para a produção de medicamento para combater diversas doenças bacterianas, que antes eram inevitavelmente mortais, e agora podem ser tratadas. “Médico de formação, o governador Geraldo Alckmin é um entusiasta da pesquisa, e os nossos institutos de pesquisa vêm trabalhando para garantir melhores condições de vida para a nossa sociedade”, disse.