02/12/2014

Prêmio de inovação alemão é entregue para o setor de alimentos e ingredientes pela primeira vez

O “Deutscher Zukunftspreis 2014”, reconhecido como o principal prêmio do governo alemão para inovação e tecnologia, concedeu o primeiro lugar a um projeto científico desenvolvido por pesquisadores do Instituto Fraunhofer para Processos Industriais e Embalagens (Fraunhofer IVV) de Freising. Entre os cientistas premiados está o  Dr. Peter Eisner que trabalha em diversos projetos em parceria com o ITAL . 

A equipe vencedora foi agraciada com um prêmio no valor de 250 mil euros, entregue pelo presidente da Alemanha, Joachim Gauck, em cerimônia realizada no dia 19 de novembro em Berlim. O prêmio existente desde 1997 foi entregue pela primeira vez ao setor de alimentos e ingredientes este ano. O projeto premiado desenvolveu um processo capaz de produzir isolado protêico e fibras a partir do Tremoço (Lupinus angustifolius), neutralizando o gosto e cheiro através da remoção do óleo vegetal. Os estudos foram feitos no Instituto Fraunhofer IVV em Freising. 

O projeto vencedor solucionou três grandes desafios: a identificação de plantas de tremoço que apresentassem um menor teor de alcaloides, evitando o sabor amargo ao ingrediente final e que também apresentasse boa produção em campo e rendimento no processo, o desenvolvimento de processo para a extração da proteína e das fibras de forma a manter a integridade e funcionalidade destes, extraindo também os compostos indesejáveis e por fim a aplicação dos ingredientes no desenvolvimento de alimentos. 

Transferência de conhecimento

A equipe premiada de pesquisadores do Fraunhofer IVV trabalha desde 2013 em cooperação com parceiros brasileiros na pesquisa, desenvolvimento e inovação através do Centro de Projetos Fraunhofer para Inovação em Alimentos e Recursos Renováveis no ITAL , inaugurado no dia 05 de setembro deste ano. 

Objetivando desenvolver projetos de pesquisa seguindo a mesma linha de trabalho premiada, a equipe do Centro de Projetos Fraunhofer no ITAL, composta por pesquisadores do Fraunhofer IVV e do Instituto de Tecnologia de Alimentos irá focar os trabalhos na utilização completa de matérias primas de origem vegetal para o desenvolvimento de ingredientes de acordo com as necessidades do setor de alimentos no Brasil e seguindo tendências mundiais na busca de inovações. 

Atualmente a equipe do Fraunhofer IVV e do ITAL, juntamente com uma série de outras instituições de pesquisa como Embrapa Soja, IFMT, UFMT e Universidade South Westphalia e empresas da área de ingredientes e alimentos, trabalha em um projeto aprovado que engloba toda a cadeia produtiva do girassol para o aproveitamento integral de todos componentes obtidos durante seu processamento. Esta cultura apresenta a vantagem de não competir com nenhuma outra devido ao plantio em entre safras, como ao exemplo da soja. De seus produtos pretende-se obter o óleo, a farinha rica em proteínas, antioxidantes, melaço e as cascas, fechando a obtenção e o aproveitamento completo de todas as frações, agregando significativamente valor à cultura e permitindo a diversificação e aumento da renda por parte dos agricultores.

 Em outro projeto em questão, coordenado pelo ITAL, pesquisadores do Fraunhofer IVV trabalham no aproveitamento de resíduos gerados pela agroindústria e pela indústria de alimentos, buscando através do conceito de fracionamento a sustentabilidade através do aproveitamento integral de subprodutos, seja para fins alimentícios, materiais, cosméticos e por fim energéticos. 

Durante sua estadia no ITAL pelo período de três meses, Dr. Peter Eisner, escreveu sua tese no âmbito do projeto premiado e teve a oportunidade de realizar com a equipe de pesquisadores do ITAL algumas aplicações preliminares como aplicações da proteína de tremoço em produtos de panificação, requeijões light e cremes vegetais. 

O Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) juntamente com o Instituto Fraunhofer IVV convidam no âmbito desta conquista a todos, tanto do setor de pesquisa como da indústria a participarem em conjunto de projetos inovadores na busca de soluções sustentáveis que atendam à demanda mundial por alimentos, energia e novos materiais.

 

Prêmio Deutscher Zukunftspreis

O Prêmio Alemão do Futuro é concedido desde 1997, com o objetivo de valorizar invenções nas áreas de arte, economia, tecnologia, engenharia e ciências naturais, que podem beneficiar um grande número de pessoas. Potencial de comercialização e a criação de novos empregos são validados da mesma forma que inovações excelentes. No ano passado, os três cientistas vencedores, Jens König, Stefan Nolte e Dirk Sutter, desenvolveram um processo para o aproveitamento das pulsações ultracurtas de laser que permite trabalhar materiais com lasers de curta pulsação. Em 2011, a equipe formada por Karl Leo, Jan Blochwitz-Nimoth e Martin Pfeiffer ganhou o prêmio por desenvolver uma eletrônica orgânica de alto rendimento que torna as aplicações dos díodos emissores de luz e das células fotoelétricas mais amplas e mais baratas. Outras inovações interessantes foram os chips biológicos (2004), a luz através de cristais (2007) e o medicamento contra a trombose (2009).