13/12/2018

ITAL aborda a importância dos industrializados e as tendências em embalagens em evento do setor lácteo
Durante o Dairy Vision 2018, promovido em Campinas, também foram distribuídos exemplares do estudo Brasil Dairy Trends 2020

A importância dos produtos lácteos industrializados para o consumo brasileiro e suas tendências de embalagem foram abordadas por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA), durante o Dairy Vision 2018, evento realizado em 28 e 29 de novembro, no Expo Dom Pedro, em Campinas (SP), com a presença de cerca de 350 especialistas e empresários do Brasil e do Exterior.

Promovida pela Zenith Global, empresa de consultoria especializada em alimentos e bebidas, em parceria com a AgriPoint, empresa especializada em informação para o agronegócio, a quarta edição do Dairy Vision discutiu os principais gargalos, disrupturas, oportunidades e insights do setor lácteo no continente latino-americano e no mundo. A participação do ITAL ocorreu através de duas palestras na quarta-feira (28), além da distribuição de exemplares do Brasil Dairy Trends 2020.

O pesquisador Luis Madi, diretor do ITAL, ressaltou a evolução do consumo de alimentos ao longo dos anos e a necessidade da retomada da confiança da indústria perante ao consumidor e a pesquisadora Fiorella B.H. Dantas, do Centro de Tecnologia de Embalagem (CETEA) do instituto, pontuou o desenvolvimento das embalagens de produtos lácteos dentro do contexto de evolução disruptiva, com transformações exponenciais.

Mencionando os estudos de tendências de bebidas não-alcoólicas, produtos lácteos, alimentação e alimentos industrializados coordenados pela Plataforma de Inovação Tecnológica do ITAL, Madi reforçou o trabalho desenvolvido pela instituição em busca da retomada da confiança dos consumidores na indústria de alimentos, considerada o maior gerador de empregos do setor industrial no Brasil e ao mesmo tempo desacreditada por informações sem embasamento científico disseminadas indiscriminadamente, em especial pela internet.

“Atualmente, as pessoas querem entender o produto que estão optando e elas não acreditam na indústria: houve uma disrupção. E o que nós queremos no ITAL? Ser um meio de comunicação confiável em benefício da sociedade e do consumidor”, disse Madi, que salientou a necessidade da adequação do processo de comunicação com o aumento do fluxo de informações para a compreensão da importância dos alimentos industrializados. “As pessoas estão confusas, elas recebem informações de todos os lados. Nesse sentindo, lançamos um documento com fatos que desmentem informações erradas sobre os alimentos processados”, avaliou.

O diretor do ITAL destacou também os diferentes perfis de consumidores a serem considerados pela indústria durante o desenvolvimento de produtos. “Alguns novos desejos dos consumidores estão relacionados à responsabilidade social e ambiental, alegações mais críveis, com transparência e autenticidade. Eles querem também interagir com as suas marcas de preferência”, exemplificou. Dentre os produtos lácteos, mencionou as bebidas substitutas, como as de base vegetais, realidade a ser absorvida pelo setor, já que “o número de vegetarianos e veganos cresce acima do que imaginávamos antes”.

Já Fiorella falou sobre as tendências para embalagens em lácteos e reforçou a necessidade de a indústria de alimentos sempre levar em consideração os hábitos dos consumidores, que “querem saber sobre tudo, indagam, são minimalistas e propagam as suas ideias ativistas para os amigos e para a família”. “As empresas precisam estar abertas para escutar opiniões contrárias e, para isso, é necessário coragem”, declarou.

Dentre as soluções, citou algumas possibilidades de uso das embalagens ativas e inteligentes (A&IP), como aquelas com indicadores dinâmicos de temperatura, de vida útil, de temperatura e localização, de tempo e uso, e de tempo e temperatura, além de tecnologias de codificação bidimensional (como DataMatrix e QR Code), que permite, por exemplo, a existência de lojas autônomas, como uma primeira unidade brasileira inaugurada no Espírito Santo.

Também foram mencionadas as embalagens com realidade aumentada, tecnologia capaz de integrar objetos físicos ao mundo digital em tempo real, transformando produtos em experiências de alto valor para a marca. “As embalagens digitais não devem gerar preocupações com segurança de alimentos, não devem afetar a funcionalidade do produto, as características organolépticas, não devem gerar impactos ambientais, devem atender requisitos legais e podem exigir educação, aceitação e confiança do consumidor e varejista”, concluiu.

Brasil Dairy Trends 2020

Foram distribuídos 280 exemplares do Brasil Dairy Trends 2020, estudo do ITAL que aborda as tendências do mercado consumidor de produtos lácteos, identificando oportunidades e desafios para a inovação tecnológica das empresas. Lançada no ano passado e disponibilizada gratuitamente, a publicação foi desenvolvida por pesquisadores do Centro de Tecnologia de Laticínios (TECNOLAT) junto à Plataforma de Inovação Tecnológica do ITAL, com apoio de instituições parceiras.

O Brasil Dairy Trends 2020 envolveu também profissionais da Embrapa Gado de Leite, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), da Faculdade de Nutrição da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – campus Limeira –, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR), do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Disponível em versão online, o estudo integra a série ITAL Brasil Trends 2020, ação do projeto Brasil Proccessed Food, que inclui o site www.alimentosprocessados.com.br, colaboração do ITAL nas ações estratégicas da SAA para o desenvolvimento do setor produtivo, a busca de uma alimentação mais saudável, a melhora da qualidade de vida da sociedade e a sustentabilidade da produção de alimentos.