Boletim Informativo

Vol. 19 - JAN a DEZ / 2013

O Centro de Tecnologia de Frutas e Hortaliças é uma Unidade especializada do Instituto de Tecnologia de Alimentos, que realiza pesquisa e assistência tecnológica nas áreas de engenharia de processos e tecnologia de processamento de frutas e hortaliças.


Conteúdo

Avaliação dos teores de vitamina C, carotenóides e polifenóis totais na desidratação osmótica de goiaba com recondicionamento e reuso do xarope de sacarose

Desenvolvimento de geleia de pimentão com pimenta, visando à elaboração de produtos destinados ao mercado “gourmet”.

Recondicionamento e reuso do xarope de sacarose na desidratação osmótica de abacaxi

Avaliação das propriedades termofísicas de bebidas de frutas em embalagem Tetra Pak.

Desenvolvimento de geleia de “cranberry” com mirtilo sem adição de açúcar, visando a elaboração de um produto com alegações especiais

Notícia

Informação de Eventos diversos 2014

FRUTHOTEC eventos 2013

Programação de Eventos - 2014

Como associar-se

Como utilizar o Centro

Associados do FRUTHOTEC

Editoração

Sílvia Cristina Sobottka Rolim de Moura
Ana Célia L. F. Carnielli

Revisão

Regina Espinazo – Relações Públicas

Editorial

CENÁRIO MUNDIAL E DESAFIO DOS PRÓXIMOS ANOS

O objetivo deste editorial foi a compilação de algumas informações relativas ao cenário mundial e as tendências globais da alimentação e nutrição.

No evento internacional de Nutrição +Bio, ocorrido em novembro de 2013 no ITAL, o palestrante Steven Rumsey, da Bunge, mostrou um panorama da nutrição na atualidade, ilustrado como o paradoxo da nutrição.

O blog Meu bem estar trouxe 10 tendências alimentares apontadas pelo Us News para o ano de 2014.

1. Empresas com maior envolvimento em causas sociais vão liderar o mercado
A maioria dos consumidores aprecia as empresas que se envolvem em causas sociais e, como tal, as marcas que ofereçam um produto agradável ao consumidor e que incentivem e apóiem causas sociais vão se beneficiar da preferência dos consumidores e ganhar mercado.

2. Embalagens mais ecológicas e comestíveis
Os consumidores estão cada vez mais informados sobre os produtos que consomem, mas também sobre as embalagens que protegem os produtos. Algumas empresas já deram um passo à frente e estão utilizando novas tecnologias para criar embalagens mais ecológicas que são, inclusive, comestíveis.

3. Consumidores altamente tecnológicos
Comprar alimentos online é o futuro. Como tal, mais aplicações para smartphone deverão ser desenvolvidas para permitir a compra online, mas também para informar os clientes sobre determinado produto.

4. Sabores de todo o mundo à mesma mesa
Os sabores internacionais vão estar ainda mais presentes na nossa cozinha. As especiarias e os temperos mais exóticos não só avivam os pratos, como também trazem benefícios à saúde, possibilitando inclusive a redução do sal.

5. Lanches rápidos
Vários estudos realizados no ano passado revelam que as pessoas estão realizando mais refeições, repartindo o almoço e o jantar em pequenos lanches ao longo do dia. Como tal, os hipermercados podem capitalizar esta tendência e apostar na venda de pequenos snacks mais saudáveis e saborosos.

6. Desperdice menos, queira menos
Grande parte do alimento que compramos acaba indo para o lixo. Assim, para poupar dinheiro e ser mais ecológica a aposta é a reutilização do alimento, inventando pratos com o que sobra das refeições e não comprando comida perecível em grandes quantidades. A elaboração de lista de compras irá ajudar na economia e a evitar o desperdício.

7. Hora do chá
A bebida, enraizada na sociedade britânica e na cultura asiática, vai fazer cada vez mais parte da cultura dos países ocidentalizados. Além de ser uma das bebidas mais populares em todo o mundo, os benefícios do chá são diversos. Várias marcas começam a dar os primeiros passos na especialização da comercialização da bebida. De chás puros a infusões, as opções são inúmeras.

8. Os novos super alimentos
Todos os anos surgem novos alimentos rotulados como super alimentos. Em 2013, a couve, a quinoa, a salvia hispânica, também conhecida por chia, foram alguns dos alimentos que mais sucesso fizeram. Em 2014 prepare-se para o freekeh, um alimento produzido a partir de trigo verde torrado, e para o teff, um cereal comum na Etiópia e Eritréia, mas desconhecido no resto do mundo.

9. Os produtos livres de alergênicos
O mercado de produtos para os consumidores intolerantes vai continuar em expansão e deverá ser cada vez maior a oferta de produtos sem glúten, soja, nozes, derivados lácteos e outros componentes.

10. A nova escola de culinária
Os supermercados deverão converter-se nas novas mecas da culinária. Muitos destes espaços comerciais já oferecem workshops de culinária aos clientes ou possuem uma comunidade de centros culinários, onde os clientes se reúnem e aprendem dicas de culinária.

Segundo Liam Hodkinson, analista sênior da Mintel, nos próximos anos a demanda por produtos convenientes tende a crescer tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento.

Os snacks de frutas e de hortaliças, com propriedades funcionais, estarão atraindo cada vez mais consumidores preocupados com uma alimentação mais saudável.

Deve haver crescimento de lançamentos em produtos de rápido preparo, como as refeições prontas e semi prontas.

As indústrias e os consumidores estarão dando maior atenção para a produção de frutas e hortaliças com certificação e qualidade.

O mundo deve buscar a exploração da grande variedade de frutas exóticas nativas da América Latina.

O lançamento de produtos para o público infantil e o público da terceira idade tendem a crescer grandemente buscando saúde e bem estar, ligados a grande preocupação com o crescimento mundial da obesidade e do diabetes.

Os pesquisadores do Fruthotec estão atentos as tendências mundiais e tem se dedicado à pesquisa e ao desenvolvimento de produtos inovadores, levando em conta a retenção das propriedades nutricionais e funcionais das matérias-primas, sempre com a preocupação de contribuir com o setor agroindustrial de alimentos na conquista de consumidores mais exigentes e na abertura de novos mercados.

Sílvia Cristina Sobottka Rolim de Moura
Diretora Técnica do FRUTHOTEC/ITAL
Pesquisadora Científica

Literatura consultada

+NutriçãoMarcado com +bio evento de nutrição, evento +bio, Evento Nutricao, Mercado de nutricao, Nutrição, nutrição na atualidade, Steven Rumsey, Steven Rumsey no evento +BIoComentar. novembro de 2013.

+Nutrição | Marcado com Alimentacao Saudavel, embalagens ecológicas, Nutrição, superalimentos, tendências alimentares, tendências do mercado de nutrição, tendências em alimentação, tendências nutrição 2014, tendencias de nutricao, workshop culinário Fonte: http://health.usnews.com

Category Insight: Fruit & Vegetables December 2013 - Mintel

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE VITAMINA C, CAROTENÓIDES E POLIFENÓIS TOTAIS NA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE GOIABA COM RECONDICIONAMENTO E REUSO DO XAROPE DE SACAROSE

A goiaba vermelha é uma fruta de grande valor nutricional, conhecida por superfruta, sendo o Brasil o maior produtor mundial.  A produção de passas é uma possibilidade de industrialização, e a desidratação osmótica (DO) uma alternativa de processo, embora aspectos do recondicionamento e reuso (RR) da solução sejam pouco conhecidos. O objetivo do estudo foi avaliar a variação dos teores de vitamina C, carotenoides e polifenóis na DO de goiaba com RR da solução de sacarose. Realizou-se um ensaio de 5 ciclos consecutivos de DO, empregando-se xarope novo no primeiro ciclo, e xarope recondicionado nos demais. Em cada ciclo, a DO foi realizada com a fruta da variedade Paluma (descascada/sem semente/cortada em 4 partes), empregando-se banho térmico com agitação (8L) (65°Brix, 45°C, razão mássica xarope:fruta de 4:1, 4h). Ao término, as frutas foram drenadas e enxaguadas. As operações de recondicionamento do xarope foram: peneiramento (malha de 1mm); concentração a vácuo (0,3 kgf/cm2); adição de xarope novo para a recuperação da massa inicial. Realizaram-se na fruta in natura, pré-seca e xarope, análises de vitamina C, carotenoides, e polifenóis totais por métodos fundamentados respectivamente em titulação, HPLC e espectofotometria. Observou-se na fruta perda média de 61,4±6,0% de vitamina C nos ciclos, e no xarope aumento de 0 a 348,38±13,87mg/100g no ensaio. Verificou-se aumento do teor de carotenoides no xarope de 0,21/0,27 para 1,28/0,88mg/100ml (β-caroteno/licopeno) no ensaio, e na fruta perdas aproximadas de 78% no primeiro ciclo e 67% no último, indicando uma redução gradual devido à diminuição do gradiente de concentração.  Não se detectou polifenóis no xarope, embora houvesse perda média de 43,9±5,6% na fruta por ciclo, provavelmente devido à degradação ou oxidação. O estudo aponta para uma possível influência do RR nas perdas de carotenóides, o que favorece a retenção na fruta, e mostrou que o processo resulta em xarope rico em vitamina C e carotenoides, tornando-o potencial ingrediente para formulações.

Trabalho desenvolvido por: Silvia P. M. Germer; Cristina D. Staliano; Elaine de C.G. Souza.; Giovana Rosso – FRUTHOTEC/ITAL

DESENVOLVIMENTO DE GELEIA DE PIMENTÃO COM PIMENTA, VISANDO À ELABORAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS AO MERCADO “GOURMET”

Três formulações de um novo produto: geleias de característica espalhável (spreadable), foram processadas com pimentão vermelho e três variedades de pimenta com diferentes níveis de pungência: “Dedo de Moça” (C. baccatum var.pendulum), “Americana” (C.annuum ) e “Murupi” (C. chinense). Os produtos foram previamente testados no início do projeto e foram estabelecidas as concentrações mais adequadas de pimenta a serem utilizadas nas formulações. Tal definição foi realizada por equipe treinada em análise sensorial utilizando-se misturas das diferentes pimentas com pimentão vermelho em diferentes porcentagens das concentrações das pimentas “Murupi” (C. chinense), “Dedo de Moça” (C. baccatum var.pendulum) e “Americana” (C. annuum) (em 0,5%, 2% e 5%). Foram também realizados testes piloto para definição da formulação do produto. Foi realizada a caracterização das matérias-primas (análises de: Brix, pH e acidez) e posteriormente armazenagem em freezer (-18ºC). Para todas as formulações foram efetuados testes sensoriais a fim de definir a aceitabilidade das formulações de cada tipo de pimenta e obter geleias de pungência fraca, moderada e intensa. As geleias foram caracterizadas através das análises de pH, acidez, Brix, umidade, cinzas, açúcares totais, açúcares redutores e fibras alimentares, além das análises de carotenóides, minerais e cálculo do valor calórico. Os resultados mostraram a obtenção de uma geleia de pungência leve, com pimenta “Americana”, uma com pungência média, com a “Dedo de Moça” e uma com pungência forte, com a “Murupi”. Características sensoriais diferenciadas (“gourmet”) e um produto bem aceito demonstrou grande potencial para todas as pimentas utilizadas, porém maior intenção de compra foi verificada para a geleia de pimentão com pimenta tipo “Dedo de Moça” com pungência intermediária e pimenta “Americana” com pungência leve pelos consumidores e bom teor de carotenóides.

Trabalho desenvolvido por: Loyane Jorge; Kátia M. V. A. B. Cipolli – CCQA/ITAL; Marta G. da Silva - CCQA/ITAL; Sueli R. Baggio - CCQA/ITAL e Paulo E. R. Tavares – FRUTHOTEC/ITAL

RECONDICIONAMENTO E REUSO DO XAROPE DE SACAROSE NA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE ABACAXI

O Brasil destaca-se como grande produtor de abacaxi, fruto saboroso e nutritivo (vitaminas, minerais e fibras). Visando o aproveitamento dos excedentes da produção, realizou-se um estudo para estabelecer um método de recondicionamento e reuso do xarope de sacarose na desidratação osmótica (DO) de abacaxi na obtenção de passas. Realizou-se um ensaio de 5 ciclos consecutivos de DO, empregando-se xarope novo (67°Brix) no primeiro ciclo, e xarope recondicionado nos demais. Em cada ciclo, a fruta (Smooth Cayenne) foi descascada e cortada em “tid-bit”. A DO foi realizada em banho térmico com agitação (10L) à temperatura de 45°C, por 4 horas, à razão mássica xarope:fruta de 3,5:1. Ao término, os pedaços foram drenados, enxaguados e secos em secador de bandeja a 65°C (velocidade do ar de 1,5m/s) até umidade de 18%. As operações de recondicionamento do xarope foram: peneiramento (malha de 1mm); concentração a vácuo (0,3 kgf/cm2) até 67°Brix; adição de xarope novo para a recuperação da massa inicial. Realizaram-se análises físico-químicas e microbiológicas por métodos padrões e teste sensorial dos produtos empregando-se equipe de 30 provadores não treinados aplicando-se o método de aceitabilidade com escala hedônica. Avaliaram-se os atributos aparência, textura, sabor e qualidade geral. As médias das concentrações iniciais dos xaropes, dos parâmetros Perda de Água e Incorporação de Sólidos foram respectivamente: 67,1±0,1°C; 36,7±3,1%; 10,4±0,5%. O xarope apresentou as seguintes alterações: o pH abaixou de 6,9 para 3,8; a acidez titulável aumentou de 0,01 a 0,22g ac/100g e o teor de açúcares redutores de  0 a 8,3g/100g. A contagem microbiana do xarope manteve-se baixa (<10 cfu/ml). As médias dos atributos aparência e textura não apresentaram diferenças significativas (p>0,05), porém as médias dos atributos sabor e qualidade global do 5° ciclo foram diferentes significativamente (p<0,05), piorando ligeiramente.  Conclui-se que o método de recondicionamento e reuso do xarope de sacarose proposto na DO de abacaxi é eficiente até 4 ciclos de reuso.

Trabalho desenvolvido por: Sílvia P. M. Germer- FRUTHOTEC/ITAL, Elaine de C G. Souza - FRUTHOTEC/ITAL; Shirley Ap. G. Berbari - FRUTHOTEC/ITAL; Neliane F. de A. Silveira  – CCQA/ITAL.

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES TERMOFÍSICAS DE BEBIDAS DE FRUTAS EM EMBALAGEM TETRA PAK.

O conhecimento preciso das propriedades termofísicas dos alimentos são de fundamental importância no dimensionamento de equipamentos. Para produtos tropicais, como nectares e sucos, referências destas propriedades não são facilmente encontradas na literatura, dificultando o planejamento do processamento térmico. Sendo assim, o objetivo do estudo foi avaliar as propriedades termofísicas de suco de manga, suco de goiaba, néctar de goiaba e suco de banana. As propriedades termofísicas determinadas experimentalmente dos sucos e nectares foram: difusividade térmica, pela adaptação da metodologia de DICKERSON (1965), na faixa de 30 a 80°C (1,1 a 1,4 10-7 m2/s); calor específico, pela adaptação da metodologia de HWANG & HAYAKAWA (1979), na faixa de 10 a 80°C (3,6 a 4,0 kJ/Kg.oC) e densidade obtida, pelo método de deslocamento de fluídos em picnômetro, nas temperaturas de 20, 50 e 80°C (1043 a 1057 103 kg/m3). A condutividade térmica (0,46 a 0,55 W/m. oC) foi calculada pela equação: k = r × a × cp com os dados das demais propriedades. A avaliação dos valores obtidos para as diversas determinações mostrou semelhança aos dados das propriedades similares a sucos e nectares convencionais. Os dados obtidos são uma importante fonte de informação para o desenvolvimento de formulações de produtos e delineamento de processos industriais. As propriedades termofísicas de sucos e nectares e seu comportamento em função da temperatura, poderão ser empregadas para o dimensionamento de processos como pasteurização e congelamento, garantindo a segurança alimentar.

Trabalho desenvolvido por: Sílvia C.S.R. Moura; Elaine C. G. Souza; Cristina D. Staliano e Mônica  M. Ferreira – FRUTHOTEC/ITAL

DESENVOLVIMENTO DE GELEIA DE “CRANBERRY” COM MIRTILO SEM ADIÇÃO DE AÇÚCAR, VISANDO A ELABORAÇÃO DE UM PRODUTO COM ALEGAÇÕES ESPECIAIS

Inicialmente o projeto consistiu na determinação dos melhores delineamentos das formulações dos sucos (Cranberry, Mirtilo e Cítrico) e suas concentrações. Tais formulações foram definidas em um número de 10 através do método estatístico simplex centróide e posteriormente testado pela equipe técnica de análise sensorial. Tal consenso foi definido através de testes de análise sensorial de sucos com misturas das respectivas frutas com diferentes porcentagens (variando as concentrações: F1: 75% Cranberry, 0% Mirtilo e 25% Suco Cítrico; F2: 25% Cranberry, 0% Mirtilo e 75% Suco Cítrico; F3: 25% Cranberry, 50% Mirtilo e 25% Cranberry; F4: 50% Cranberry, 25% Mirtilo e 25% Suco Cítrico; F5: 25% Cranberry, 25% Mirtilo e 50% Suco Cítrico; F6: 50% Cranberry, 0% Mirtilo e 50% Suco Cítrico; F7: 41,7% Cranberry, 16,7% Mirtilo e 41,7% Suco Cítrico; F8: 58,3% Cranberry, 8,3% Mirtilo e 33,3% Suco Cítrico; F9: 33,3% Cranberry, 8,3% Mirtilo e 58,3% Suco Cítrico; F10:33,3% Cranberry, 33,3% mirtilo e 33,3% Suco Cítrico). Após a realização dos testes foram obtidos os resultados pertinentes as formulações mais apreciadas pela equipe de provadores, tais formulações selecionadas foram, F5, F8 e F10. Posteriormente a primeira etapa do projeto foram realizados testes piloto (fogo direto) para elaboração da formulação final do produto. Foi realizada a caracterização das matérias-primas (análises de Brix e pH) e armazenagem em câmara com temperatura controlada. O lote final do produto foi feito em escala piloto em tacho aberto. Foram realizadas, durante o projeto, análises com o produto final, tais como: pH, acidez, °Brix, determinação dos teores de antocianinas e de cor. Sendo as formulações de geleia mais aceitas com a intenção de produzir uma geleia com apelo funcional foram F5 e F8.

Trabalho desenvolvido por: Arthur P. Lopes; Aline O. Garcia – CCQA/ITAL, Marta G. da Silva - CCQA/ITAL, Adriana B. Alves – CCQA/ITAL e Paulo E.R. Tavares – FRUTHOTEC/ITAL.

NOTÍCIA

LEGISLAÇÃO

É PROIBIDO TOMAR?

Projeto de Lei apresentado pelo deputado estadual Chico Sardelli (PV-SP) propõe a comercialização, assim como o uso do aspartame na composição de alimentos. A proposta estabelece ainda, em seu artigo 1º, normas de proteção à saúde e de responsabilidade por dano ao consumidor, prevista na Constituição, para a eliminação dos riscos causados pelo consumo do aspartame. “Ficamos surpresos com a apresentação desse projeto de lei, porque ele mostra um desconhecimento do parlamentar a respeito do assunto e me parece baseado em informações inverídicas publicadas na internet”, avalia Carlos Eduardo Gouvêa, presidente da Abiad (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres), que reúne empresas fabricantes de produtos diet e ligth, entre elas as que fabricam aspartame ou formulam alimentos e bebidas com o insumo.
O dirigente lembra que o parlamentar justifica o seu projeto, citando um estudo realizado por pesquisadores da Fundação Ramazzi, de Bolonha, na Itália. Para Gouvêa, tal estudo já foi rebatido por parecer científico da Autoridade Européia de Segurança Alimentar (EFSA), principal instituição de controle alimentar da Europa, sobre os riscos da ingestão do aspartame. Na visão da EFSA, frisa o dirigente da Abiad, não há qualquer indicação de que o adoçante provoque câncer. Além de rebater estudos da Fundação Ramazzini, associando a ingestão do aspartame à incidência de tumores malignos, o parecer da EFSA revela que a maioria dos linfomas relatados foi desenvolvida em ratos com sinais de doenças respiratórias crônica, em vez de causados pela ingestão de aspartame.
Gouvêa ressalta ainda que o aspartame é um dos adoçantes mais avaliados do ponto de vista toxicológico. Conta com mais de 100 estudos com distintos grupos populacionais confirmando a sua segurança. É um dos adoçantes mais indicados pelos profissionais de saúde para a população em geral, inclusive crianças e mulheres em situações tão delicadas como durante a gestação. “Esse respaldo científico garante ao aspartame sua aprovação em mais de 120 países, entre eles o Brasil. O mito de que esteja relacionado a doenças como esclerose múltipla, lúpus, Alzheimer, mal-formações congênitas e câncer, entre outras, não é verdadeiro e tem se popularizado mais pelo impacto e pelos meios utilizados (revistas, internet) do que por evidências concretas”, sublinha ele.

Fonte: Doce Revista nº 222, março 2013

FIBRA DE MARACUJÁ ENRIQUECE IOGURTE

A qualidade dos alimentos e a sua influência sobre a nutrição e a saúde humana são assuntos intensamente abordados pelos meios científicos. A preocupação se deve ao grande volume de itens disponíveis para consumo e à tendência atual da ingestão de produtos naturais. Recém saído da incubadora, o estudo da pesquisadora Nataly Maria Viva de Toledo, bacharel em Ciências, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), visa agregar valor ao subproduto do processamento do maracujá. Ele, por sinal, alcançou resultados positivos a partir do desenvolvimento de um iogurte adicionado de diferentes concentrações de uma farinha elaborada com os subprodutos da fruta.
O estudo relata que as cascas e as sementes do maracujá são as principais resíduas agroindustriais provenientes do processo de esmagamento da fruta para obtenção do suco. A casca é rica em fibras, vitaminas e minerais. Já as sementes apresentam grande quantidade de óleo com alto teor de ácidos graxos insaturados. “A casca do maracujá já corresponde a mais da metade da composição mássica da fruta e não pode mais ser considerada côo resíduo industrial uma vez que estudos relatam características funcionais e tecnológicas interessantes para o desenvolvimento de produtos”, afirma Nataly.
Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o projeto, cujas análises foram realizadas nos Laboratórios de Nutrição Humana e de Higiene Laticínios do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição (LAN) da Esalq, visou o aproveitamento do fruto (polpa, cascas, e sementes) como forma de aumentar o valor nutricional do iogurte, além de gerar uma alternativa para agregar valor aos subprodutos resultantes do processamento industrial do maracujá, evitando o desperdício desses materiais. De acordo com Nataly, o iogurte elaborado nesse estudo apresentou características nutricionais superiores ao iogurte comercializado, destacando-se pelo seu elevado teor de fibra alimentar. “Autores relatam ainda seu efeito sob a redução do colesterol no sangue, controle de glicemia e do peso e prevenção de problemas gastrointestinais”.

Fonte: Doce Revista nº 223, abril 2013

UM POMAR LÍQUIDO

Do Bem Renova a Cena de Bebidas Prontas
com Sucos 100% Naturais e Integrais

A gravata emoldurada e pendurada na parede virou um dos símbolos da do bem – assim mesmo minúsculas – a empresa de bebidas que aposta em caixinhas divertidas. Essa é a filosofia dessa empresa carioca que inovou a cena de sucos prontos para beber (SPB) oferecendo um produto sem água, açúcar, conservantes, corantes ou aditivos químicos. “É a fruta na caixinha e mais nada”, grifa Marcos Leta, diretor e idealizador da do bem. O conceito pode parecer estranho, ainda mais um segmento dominado e regido por múltis que elaboram sucos com água, aditivos, açúcares e adoçantes. Mas a do bem se mantém fiel ao princípio com a proposta adicional de pesquisar e utilizar ingredientes da biodiversidade brasileira. “Estamos aqui por acreditar que podemos ir mais além. Um grupo de jovens cansados da mesmice, focado em mudar o mundo das bebidas, criando uma experiência simples, saudável e bem-humorada”, sintetiza Leta. Depois de abandonar o emprego no mercado coorporativo, ele resolveu investir em uma empresa diferente, que valoriza a natureza, o meio ambiente e o ser humano. Ao pesquisar o processo de fabricação de sucos naturais, fundou a do bem.

Fonte: Doce Revista nº 223, abril 2013

SAMBA DE VERÃO

Aproximação das Estações Mais Quentes Revitaliza
as Gôndolas de Bebidas em Pó e Sucos Prontos

Com menos marcas disputando as gôndolas, as categorias de bebidas não alcoólicas vêm conseguindo ordenar a distribuição em função do consumo, rentabilizando um negócio que não para de crescer. Monitoramento da Nielsen capta que o filão de sucos prontos para beber (SPB) cravou avanço de 14,6% em volume de 21,7% em valor no último ano. Pelas planilhas da consultoria, o salto foi de 32,7% (volume) e 50,8% (valor) em relação a 2010, tendo a categoria registrado alta de 15,8% (volume),  e 23,9% (valor) na comparação com 2011. Já o resultado de refrescos em pó, cuja penetração nos lares atinge a faixa de 80-90%, segundo a mesma fonte, cresceu 1,9% em volume e 7,7% em valor no ano passado, com alta de 1,2% (volume) e 17,2% (valor) em relação a 2010, tendo acusado alta de 0,6% e 8,8%, respectivamente, em 2011.
Fonte: Doce Revista nº 227, abril 2013

SUCOS JANDAIA

Pioneira da ala de sucos tropicais, fundada há 72 anos em Pacajus (CE), a empresa realizou diversos lançamentos, a começar pelo seu néctar de tangerina e inovações como os sucos prontos com Ômega 3 e a variante Chá Verde. Eduardo Figueiredo, diretor comercial da Jandaia, adianta que o estande promete ser uma das sensações do evento. “O visitante vai conhecer e provar desde os produtos tradicionais da marca, em vários sabores e embalagens, aos mais inovadores com ingredientes nutracêuticos, que enquadram as novidades no filão de saúde e bem-estar”, assinala ele.
Um dos pontos altos entre os lançamentos, a linha de sucos com Ômego 3 DHA sobressai pelos alegados, benefícios à saúde. Segundo estudos científicos, a substância pode prevenir doenças como Mal de Alzheimer e melhorar as funções cognitivas, além de promover a saúde ocular. “Em relação às doenças do coração, o Ômega 3 DHA está associado à diminuição de morte cardíaca súbita, queda nos níveis de pressão arterial e melhora da freqüência cardíaca”, ressalta Figueiredo. Únicos no Brasil, este conclui, essa linha de sucos da Jandaia está disponível nos sabores laranja e uva, em embalagens cartonadas de um litro e 200ml.
Foi a Jandaia quem lançou no Brasil o primeiro suco de caju integral, assim como essa versão com Ômega 3 DHA. Atualmente a linha de sucos integrais e prontos para beber ultrapassa 30 produtos diferentes. Além do caju, nativo da região e cultivado pela Jandaia numa área de 3.000 hectares, envasa sucos de abacaxi, acerola, cajá, goiaba, manga e uva, processando 40 mil toneladas por ano entre sucos concentrados e prontos para beber.
Fonte: Doce Revista nº 226, julho 2013

GIRO

Quem: Batavo
Produto: Hidra
Gancho: Combinação de Sabores

Principal marca de lácteos do grupo BRF, a Batavo amplia sua penetração no reduto de bebidas prontas com mais um item em seu menu: Hidra, produto refrescante que combina a nutrição do soro do leite ao sabor da fruta. Alinhado com a crescente demanda brasileira por alimentos saudáveis e, consequentemente, ao novo conceito adotado pela marca, a novidade dá continuidade ao reposicionamento da Batavo, que busca inspiração na natureza para desenvolver seus produtos, explica Luciane Matiello, diretora de marketing de lácteos da BRF.
Para criar as novas combinações de sucos, a empresa está investindo R$ 15 milhões. “O valor contempla a idealização do produto”, resume a executiva. Estimativas apontam que até 2014 o mercado brasileiro de alimentos saudáveis movimente cerca de R$ 38 bilhões, uma expansão de 39% em relação ao volume atual.
“Estamos atentos às oportunidades e convictos que Hidra será referência no mercado”, completa ela.
Luciane detalha que Hidra contém proteína, composto orgânico de participação fundamental no sistema de defesa do organismo e na formação da massa muscular. É também rico em vitamina C, fonte de selênio, e contém magnésio, potássio, fósforo e cálcio, este último essencial à formação de ossos, dentes e controle do peso corporal e da pressão arterial. “Estamos entregando ao consumidor uma bebida que combina refrescância, intensidade de sabor, nutrição e hidratação”, frisa a diretora.

 

INFORMAÇÃO DE EVENTOS DIVERSOS 2014

26 e 27 de março
Seminário Internacional de Ciência, Tecnologia e Inovações para a Indústria de Carnes

Realização: CTC
Coordenação: Ana Lucia Correa Lemos, José Ricardo Gonçalves e Manuel Pinto Neto
Vagas: 350

28 de abril a 02/05 de maio
21ª AGRISHOW

Local: SAA – Ribeirão Preto – SP

03 a 06 de junho
FISPAL Tecnologia

Local: Pavilhão de Exposições Anhembi/SP

02 a 04 de junho
XII SIBESA - Simpósio Ítalo-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Local: Natal -RN

21 a 24 de junho
IFT2014 - Annual Meeting  and Expo Food

Local: New Orleans, Estados Unidos

24 a 27 de junho
Fispal Food Service / Tecnosorvete

Local: Expo Center Norte/SP

01 a 03 de agosto
AGRIFAM

Local: Lençóis Paulista/SP

05 a 07 de agosto
Food Ingredients South America

Local: Expo Center Norte/SP

05 e 06 de agosto
Curso: Seminário Brasil Ingredients Trends 2020

Realização: Plataforma de Inovação Tecnológica/DG
Coordenação: Raul Amaral, Airton Vialta
Vagas: 160
Local: Fi South America / Expo Center Norte-SP
Público-Alvo: Indústrias de alimentos, bebidas, ingredientes e insumos. Profissionais da área de P,D & I. Lideranças do setor

17 a 21 de agosto
IUFOST - 17th World Congress of Food Science and Technology and Expo

Local: Montreal - Canadá

25 a 29 de setembro
XXIV CBCTA

Local: Centro de Convenções de Sergipe – Aracajú/SE


FRUTHOTEC EVENTOS REALIZADOS EM 2013

Curso sobre Desidratação de Frutas e Hortaliças

O FRUTHOTEC realizou no período de 08 e 09 de maio de 2013 o curso sobre Desidratação de Frutas e Hortaliças, coordenado pelos pesquisadores José Maurício Aguirre e Silvia Germer. O evento reuniu aproximadamente 15 participantes, entre profissionais de indústria, órgãos governamentais, produtores rurais, além de estudantes de graduação e pós-graduação, e visou transferir informações teóricas e práticas fundamentais para o processamento de frutas e hortaliças desidratadas com ênfase nos aspectos tecnológicos e equipamentos para secagem. O Curso foi apresentado na forma de aulas expositivas e aulas práticas nas plantas-piloto do FRUTHOTEC.

Curso de Industrialização de Palmito
De 24 a 26 de setembro e de 12 a 14 de novembro de 2013 foram realizados no ITAL os Cursos Industrialização de Palmito em Conserva com o objetivo de transferir informações fundamentais sobre o processamento de palmito em conserva, com ênfase nos pontos críticos de controle do processo para se alcançar a qualidade e a segurança do produto. O evento teve coordenação da pesquisadora do FRUTHOTEC, Shirley Berbari, contando com a participação de aproximadamente 30 pessoas entre produtores e processadores de palmito no primeiro curso e 26 no segundo. Foram abordados temas referentes à industrialização do palmito, como microbiologia, sanificação, tecnologia do processamento, APPCC e controle de qualidade.

PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS

As pesquisadoras Shirley Berbari e Silvia Germer participaram do IFT 2013 – Annual Meeting + Food Expo, no período de 13 a 16 de julho de 2013,  realizado em Chicago, EUA, apresentando trabalhos.

Os pesquisadores Paulo Tavares, Alba Coelho, Silvia Germer e Shirley Berbari participaram do 7º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica – CIIC 2013, de 13 a 15 de agosto de 2013, no Instituto de Tecnologia de Alimentos, em Campinas/SP, apresentando trabalhos.

A pesquisadora Silvia Moura participou do SLACA 2013, no período de 03 a 06 de novembro de 2013, realizado em Campinas- SP, apresentando trabalho.

PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS – 2014

15 e 16 de abril
Curso: Processamento de Compotas, Doces em Massa e Geleias
Realização: Fruthotec
Coordenação: Paulo Tavares e Silvia Moura
Vagas: 40
Local: Espaço Dr. Osvaldo
Público-Alvo: Profissionais de empresas de pequeno e médio porte, produtores de doces de frutas como geléias e doces em massa, fruticultores, empresários, pesquisadores, docentes e interessados em modernizar empresa agroindustrial.
Objetivo: Profissionais de empresas de pequeno e médio porte produtoras de doces de frutas como geléias e doces em massa, fruticultores, empresários, pesquisadores, docentes e interessados em modernizar empresa agroindustrial.

13 e 14 maio
Curso: Desidratação de Frutas e Hortaliças
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: José Maurício Aguirre e Silvia Pimentel Marconi Germer
Vagas: 40
Local: Auditório Décio Dias Alvim
Público-Alvo: Técnicos e profissionais da área, empresários e produtores rurais.
Objetivo: transferir informações teóricas e práticas fundamentais para o processamento de frutas e hortaliças desidratadas com ênfase nos aspectos tecnológicos e equipamentos para secagem;

21 de agosto
Workshop Técnicas e Tendências da Industrialização de Frutas e Hortaliças no Mercado Gourmet
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: Paulo Tavares e Sílvia Moura
Vagas: 100
Local: Auditório Décio Dias Alvim
Público-Alvo: Profissionais ligados ao mercado da gastronomia, empresários, pesquisadores, nutricionistas, docentes e interessados em modernizar empresa agroindustrial.
Objetivo: Transferência de tecnologia sobre aplicação de frutas e hortaliças para o mercado gourmet, aplicação de ingredientes e apresentação de tendências para a linha gastronômica.

09 a 11 de setembro
Curso: Processamento de Palmito em Conserva
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: Shirley Aparecida Garcia Berbari
Vagas: 32
Local: Espaço Dr. Osvaldo
Público-Alvo: Técnicos da indústria processadora de palmito em conserva.
Objetivo: Transferir informações fundamentais sobre o processamento de palmito em conserva, com ênfase nos pontos críticos de controle do processo para se alcançar a qualidade e a segurança do produto.

01 e 02 outubro
Curso: Vida-de-Prateleira de Alimentos
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: Silvia Moura e Silvia Germer
Vagas: 40
Local: Auditório Décio Dias Alvim
Público-Alvo: Profissionais ligados à industria, à pesquisa, ao ensino e à fiscalização de alimentos.
Objetivo: Transferir informações fundamentais sobre as reações que ocorrem em alimentos durante seu armazenamento, visando projetar situações, fazer comparações, antecipar possíveis problemas e estimar o shelf-life (vida-de-prateleira) nas mais diversas situações de apresentação e comercialização de produtos alimentícios

04 a 06 novembro
Curso: Processamento de conservas de origem vegetal
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: Shirley Aparecida Garcia Berbari
Vagas:60
Local: Auditório Décio Dias Alvim
Público-Alvo: Técnicos da indústria processadora de hortaliças em conserva.
Objetivo: Transferir conhecimentos técnicos aos interessados no processamento de hortaliças em conserva. Serão abordados os princípios de conservação de alimentos, os processos de acidificação, pasteurização, uso de conservadores químicos, diferentes tipos de embalagens, vida-de-prateleira e qualidade de antepastos e produtos marinados elaborados com diferentes tipos de hortaliças.

25 e 26 novembro
Curso: Workshop sobre industrialização de frutas orgânicas
Realização: FRUTHOTEC
Coordenação: Rogerio Tocchini / Alba Coelho
Vagas:100
Local: Auditório Décio Dias Alvim
Público-Alvo: Produtores que já atuam no mercado de frutas e hortaliças orgânicas, profissionais e pesquisadores que atuam no setor, ou tenham interesse em atuar.
Objetivo: Abordar o processo produtivo, desde a conceituação da matéria-prima orgânica, tecnologia de industrialização, incluindo insumos e ingredientes previstos pela legislação.

Maiores informações :
Fone: (19) 3743-1758 / 3743-1759 / 3743-1842 (Fruthotec)
Fax: (19) 3242-6343
e-mail: eventos@ital.sp.gov.br / frutho@ital.sp.gov.br

COMO ASSOCIAR-SE

Uma forma de organização eficiente e prática, que agiliza o atendimento ao setor, é o sistema associativo, semelhante àqueles em funcionamento nos países europeus. Seguindo este modelo, as empresas se associam ao Centro mediante um contrato com a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa Agropecuária - FUNDEPAG, ligada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, passando a contribuir com uma anuidade paga em quatro parcelas trimestrais.

Em contrapartida, as empresas associadas recebem:
• Redução de 20% nos custos relativos a: projetos de pesquisa e desenvolvimento, testes em planta-piloto; consultorias; análises de laboratório e taxas de inscrição nos seminários, cursos e outros eventos realizados pelo Centro;
• Boletim Informativo contendo notas técnicas de interesse nas áreas de atuação do Centro;
• Prioridade de atendimento a consultas, pareceres, análises, projetos, etc.

COMO UTILIZAR O CENTRO

Recomenda-se, primeiramente, marcar entrevista via contato telefônico - (0xx19) 3743.1840 ou pela Internet (relação abaixo), para discussão de questões relativas ao tipo de serviços requeridos, tanto em termos de assistência tecnológica, treinamento, quanto de desenvolvimento de um projeto específico, bem como a forma de contratação desses serviços e seu trâmite normal.

Silvia Cristina Sobottka Rolim de Moura: smoura@ital.sp.gov.br
Alba Lúcia Coelho Nisida: anisida@ital.sp.gov.br
Rogério Perujo Tocchini: tocchini@ital.sp.gov.br
Shirley Aparecida Garcia Berbari: sberbari@ital.sp.gov.br
Paulo Eduardo da Rocha Tavares: ptavares@ital.sp.gov.br
Silvia Pimentel Marconi Germer: sgermer@ital.sp.gov.br
José Gasparino Filho: gaspar@ital.sp.gov.br
José Maurício Aguirre: maguirre@ital.sp.gov.br
José Roberto Cavichiolo: jroberto@ital.sp.gov.br
Relações Públicas: espinazo@ital.sp.gov.br
Secretaria do Fruthotec: frutho@ital.sp.gov.br
home page: http://www.ital.sp.gov.br/fruthotec

ASSOCIADOS DO FRUTHOTEC

  • AGROTERENAS S.A. INDUSTRIAL CITRUS
  • BIOENERGIA EMPREENDIMENTOS
  • CITROSUCO S/A AGROINDÚSTRIA
  • LOUIS DREYFUS COMMODITIES
  • NATARI COM. HORTIFRUTI LTDA.
  • PEDRO GALLIAN JUNIOR
  • SUCOCITRICO CUTRALE LTDA